as-novas-tendencias-de-consumo-do-atacarejo

As Novas Tendências de Consumo do Atacarejo

  • Nos últimos anos, por causa da crise econômica e também pela inflação, o atacarejo está ganhando cada vez mais espaço entre o público consumidor.
  • Os comércios atacadistas oferecem opções de vendas com descontos para o consumidor que compra uma quantidade maior de um determinado produto.
  • Apesar de o público-alvo desse sistema de vendas serem pequenas e médias empresas, muitas famílias estão optando por fazer compras no atacado.
  • Por causa dessa mudança de perfil dos clientes, os estabelecimentos precisam manter o foco nas tendências de consumo para poder vender mais.

Nos últimos anos, os comércios de atacarejo têm chamado cada vez mais a atenção do público, principalmente por causa da atual situação econômica do país. A inflação e as dificuldades financeiras que atingem os brasileiros fazem com que a procura por preços baixos seja cada vez maior, motivando o consumidor a deixar de comprar nos varejos de bairro para optar pelos atacarejos de áreas mais afastadas e movimentadas.

O isolamento social causado pela pandemia do coronavírus afetou um pouco essa procura, afinal, esses lugares em geral são mais movimentados e, por isso, se tornou um tipo de ambiente pouco indicado pelas normas sanitárias. Mas esse tipo de negócio possui um grande potencial, sobretudo para os próximos anos, em que há uma tendência de aumento da vacinação e de queda no contágio de pessoas infectadas pela doença.

Em 2021, o Credit Suisse iniciou a cobertura para empresas do varejo que lidam com alimentos e ressaltou que o atacarejo deve continuar ganhando participação e penetrando no mercado varejista. Nesse cenário de competição, os especialistas avaliam que nos próximos cinco anos há espaço para abrir mais 420 lojas com o formato de venda atacadista, o que representa um crescimento de 30% em relação ao número atual.

Como Funciona o Atacarejo

 A alta procura por supermercados atacadistas está aumentando devido ao seu formato de vendas, que oferece um preço mais baixo para o cliente, caso ele leve uma quantidade maior de um determinado item. Por exemplo, o cliente paga R$ 3,00 em cada unidade de um item, mas se ele levar acima de três, cada um sai pelo valor de R$ 2,80, o que representa uma grande vantagem em relação ao varejo, que não faz esse tipo de negócio.

O atacado atua direcionando seu foco para empresas de pequeno e médio porte e, por isso, a própria estrutura dos estabelecimentos não é muito sofisticada, pois a instalação do local costuma a ser em galpões, os produtos são empilhados e não há embaladores ou outros funcionários que prestam pequenos serviços aos clientes. Porém, por causa dos preços mais baixos, muitas pessoas estão sendo atraídas para fazer compras nesses lugares.

No entanto, muitas vezes, essa estrutura menos sofisticada é o que contribui para possibilitar que o comércio atacadista consiga colocar um preço mais baixo para cada unidade dos seus produtos em relação ao varejo, pois a diminuição nas despesas faz com que o valor final das mercadorias se reduza. No entanto, se o cliente optar por levar poucas unidades de um item, o preço praticado em cada item pode ser igual ao do varejo.

Embora tenha muitas vantagens, o comércio atacadista nem sempre será a opção mais viável para o cliente, pois na maioria das vezes sua localização fica em pontos mais afastados da cidade e a variedade no mix de produtos não é o foco desse tipo de negócio. Por causa disso, os consumidores acabam recorrendo muitas vezes aos atacados para fazer grandes compras, mas continuam fazendo pequenas reposições em lojas de varejo.

Tendências Para o Atacarejo

As tendências para os próximos anos no atacarejo têm como prioridade a preservação dos diferenciais desse segmento em vez de propriamente introduzir inovações. É claro que o empresário pode recorrer a canais de vendas mais modernos, como o uso de websites ou aplicativos de compra para atender o público, mas dentro dos pontos de venda o foco se concentra em proporcionar uma boa experiência através dos diferenciais desse modelo de negócio.

Atendimento ao público geral

Uma vez que o perfil do público consumidor tem sofrido mudanças dentro do atacarejo, o estabelecimento precisa decidir se as estratégias de venda irão focar em pessoas que não têm empresas, mas estão atrás de promoções. Se a resposta for sim, deve-se levar em conta que tipo de melhorias serão feitas e ponderar que essas soluções não encareçam muito o produto final – caso contrário, não haverá propósito em manter esse formato de vendas.

Por exemplo, o empresário pode optar por deixar os produtos em um estoque ao invés de empilhá-los na loja, para deixar o lugar mais bonito, como ocorre no varejo. Mas, caso decida fazer isso, precisará de mais funcionários em seu quadro para fazer a reposição das prateleiras. Tudo isso pode contribuir com melhorias para os clientes, mas também irá trazer mais gastos para a empresa e pode causar impacto no preço final das mercadorias.

Os descontos devem valer a pena

Já que o público está deixando de priorizar os varejistas para dar espaço aos atacarejos, os descontos oferecidos por estas lojas precisam compensar para o cliente. Não faz sentido para ele se deslocar por grandes distâncias e levar um volume alto de produtos para que, no fim das contas, o valor final da compra seja semelhante aos de supermercados de bairro. O preço baixo dos atacados é o seu grande diferencial e isso não pode ser ignorado.

Além disso, manter preços elevados no atacarejo pode trazer uma frustração para o cliente no momento da compra, pois nesse caso há uma quebra de expectativa para ele. A longo prazo, isso pode fazer com que os consumidores, de modo geral, passem a evitar fazer compras naquele ponto de venda. Logo, o engajamento, nesse caso, está totalmente atrelado aos descontos que o atacado proporciona.

Não misturar varejo e atacado

Marcas que estão em expansão devem ter atenção às bandeiras que possuem, pois se já atendem o comércio varejista, os clientes podem ficar confusos na hora de fazer a compra. Nessas horas, é preciso deixar bem claro que o novo ponto de venda é um atacarejo; é indicado deixar isso em destaque na placa do estabelecimento. Ou então, se preferir, o empresário pode criar uma nova marca para distinguir uma coisa da outra.

Manter um atacarejo não significa misturar duas estratégias de venda, portanto, um produto em oferta no varejo nunca pode ser menor do que o valor final de uma compra pelo atacado, a prioridade deve ser dada sempre para a compra de produtos em maior escala.

Todas as etapas de venda de um item, desde o fornecimento até o repasse ao consumidor, devem ter uma estratégia exclusiva para cada um dos dois modelos de negócio que a empresa possui. Criar e respeitar o planejamento trará organização e ajudará a manter o bom funcionamento dos negócios.

Pensando nisso, o empresário que pretende manter um comércio de atacarejo pode traçar essa estratégia junto com seus fornecedores a fim de garantir que o repasse de produtos seja mais barato para o consumidor final em relação ao comércio varejista.

Para ajudar nessa tarefa, o comerciante também pode criar parcerias com algumas empresas que possam ajudá-lo a conseguir garantir um menor preço na hora de fazer a reposição de estoque, como no caso dos fabricantes. Essas medidas fazem toda a diferença para conseguir elaborar uma boa estratégia voltada para o atacarejo.

Conclusão

A delicada situação econômica que o Brasil tem atravessado impulsionou o crescimento do número de atacarejos em todo o país nos últimos anos, pois ele oferece algumas  vantagens em relação aos supermercados varejistas. Apesar de o comércio atacadista ser voltado para pequenas e médias empresas, muitas pessoas estão recorrendo a esse tipo de negócio, que oferece descontos a partir da compra de um número maior de produtos.

Devido a essa mudança no perfil de consumidor, as tendências para o comércio atacarejo nos próximos anos levarão em conta o cliente pessoa física, que não possui empresa e, por causa disso, os estabelecimentos devem tomar cuidado para não tomarem medidas que elevem muito os valores dos produtos ou que os façam se equiparar aos varejistas. Caso contrário, perderá todo o seu diferencial competitivo, que é justamente o preço baixo.

É preciso ter muita atenção ao valor final do produto, pois se o desconto do atacadista não compensar, o cliente naturalmente irá ver que a diferença em relação ao varejo não compensa e acabará parando de frequentar aquele ponto de venda em algum momento. A boa experiência que o atacarejo proporciona aos consumidores está justamente nos produtos baratos e, portanto, esse deve ser o foco de todas as estratégias de venda.

Por causa disso, o empresário precisa ter uma estratégia bem direcionada para o atacarejo que envolva o fornecedor, a fim de garantir o preço baixo de seus produtos. Esse planejamento de forma alguma deve se misturar ao do varejo, pois sua implementação é bem diferente. Deste modo, as promoções para compras no varejo nunca podem oferecer um menor custo do que os descontos do atacado.

Links Para Leitura